Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Associação de Atletismo revela ter sofrido ataque de hackers
Início do conteúdo da página
#Portal istoe

Associação de Atletismo revela ter sofrido ataque de hackers

  • Publicado: Segunda, 03 de Abril de 2017, 16h53
  • Última atualização em Segunda, 03 de Abril de 2017, 16h53

ROMA, 3 ABR (ANSA) – A Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) anunciou nesta segunda-feira (3) que sofreu um ataque cibernético causado pelos hackers russos “Fancy Bear”, responsáveis por violarem dados sigilosos do site da Agência Mundial Antidoping (Wada).   

Em comunicado, a IAAF informou acreditar que o primeiro ataque foi realizado no último dia 21 de fevereiro, quando os hackers teriam acessado dados dos servidores da entidade por meio de acesso remoto não autorizado. Na ocasião, eles conseguiram informações sigilosas referentes a atletas que são autorizados a utillizar substâncias proibidas pela Wada, mas que são permitidas para fins terapêuticos. Os atletas estão relacionados pela IAAF no grupo para Uso terapêutico (TUE, na sigla inglês). “Não se sabe se essa informação foi posteriormente roubada da rede, mas dá uma forte indicação do interesse e intenção dos hackers, e mostra que eles tiveram acesso e meios para obter o conteúdo deste arquivo à vontade”, afirmou a IAAF em comunicado.   

A entidade ainda afirmou que descobriu sobre a invasão cibernética por meio de uma investigação feita por uma empresa de segurança de informática contratada em janeiro de 2017, quando a Federação promoveu uma atualização técnica em seus sistemas.   

“Nossa primeira prioridade é com os atletas que nos forneceram informações que eles acreditavam ser seguras e confidenciais.   

Eles têm nossas sinceras desculpas e nosso total compromisso em continuar a fazer tudo que estiver em nosso poder para remediar a situação e trabalhar com as melhores organizações para criar um ambiente seguro”, disse o presidente da Iaaf Sebastian Coe.   

A IAAF já contatou todos os atletas que integram o grupo autorizadoa fazer uso de medicamentos desde 2012 para que eles possam fazer questionamentos e tirarem dúvidas sobre o possível ataque cibernéticos. (ANSA)

 

Fonte: istoe

Fim do conteúdo da página